Venezuela

Deu na capa da Veja: o falastrão caiu. Lembro que de Ijuí, onde morava, mandei mensagem: minha assinatura vai até o final do ano, mas podem parar de mandar agora. O fato é que a revista comemorou o golpe que derrubou Chávez. Começou com manifestações de rua convocadas por entidades empresariais e imprensa e se consumou com uma ação militar. Era 2002, tempo pouco, mas os golpes ainda eram feitos com fuzis. Tanto era golpe que, daqui, FHC condenou a quartelada.

Claro que isso não impediu que os campeões da democracia dessem imediatamente sua chancela. Sim, eles mesmos, os Estados Unidos, correram a reconhecer o Governo Carmona, que não durou 48 horas, porque Chávez tinha apoio popular e também força nos quartéis. Assim, os Estados Unidos e Veja ficaram com o pincel na mão, e a revista com um assinante a menos.

Se lembro disso agora, tento imaginar quase duas décadas de incessante ocupação da rua por patos e camisetas da seleção (claro, as camisetas de lá são diferentes, e nelas tem inclusive aquela cor sinistra). Tudo com a mesma sustentação social: a FIESP deles, a Globo e a Veja deles, o MBL deles, aquela mesma classe média de Miami, e por aí vai. Que país pode resistir a isso?

Chávez morreu, o preço do petróleo desabou, começou o desabastecimento, e eles lá na rua, dia após dia.

O substituto que arrumaram para Chávez é fraquinho: sem carisma e inábil, tenta sustentar um sistema que não consegue mais maioria nas urnas. E eles lá, na rua, acossando.

A baixa do petróleo teve um efeito devastador, muito maior que a baixa das commodities aqui, ficou cada vez mais difícil. E eles lá na rua, com sua FIESP, sua Globo, seu MBL, com a pressão dos Estados Unidos.

Não sei quantos compareceram às urnas na eleição da Constituinte, também não sei quantas pessoas morreram nos últimos dias e quem atirou. Dependendo da fonte que consultar, poderei concluir uma coisa ou outra coisa. Por isso, se algum mensageiro da pós-verdade me disser, provavelmente não acreditarei. No fundo, tenho evitado saber.

Na verdade, se o título deste artigo é Venezuela, se até agora falei da Venezuela, é apenas porque hoje ela retrata de modo mais eloquente como o poder se expressa no mundo e como com esse poder a democracia pouco vale.

Claro que não precisa ser assim: se tudo andar como o poder deseja, é melhor essa democracia em que a cada par de anos elegemos esses nossos notáveis representantes. Assim há menos traumas, menos custos. Mas, se não andar com a democracia, há outras soluções.

Maduro não é um democrata; como sucessor de Chávez, é um pouco farsa, um pouco tragédia, e tenta manter o poder a qualquer custo.

Mas está claro que não é dele que falo quando digo que a democracia pouco vale: falo do poder global, que atropela quem a ele se oponha e há vinte anos se dedica a derrubar o governo venezuelano.

Por isso, fico tão sem graça quando vejo meus amigos discutirem como se posicionar na Venezuela. É claro que aquilo não é uma democracia, mas é ainda mais claro que quem lá se dedica a derrubar o governo não o faz com métodos nem propósitos democráticos.

Sou ardoroso defensor da democracia, acho que defendê-la e ampliá-la é revolucionário, mas às vezes paro e penso: como somos ingênuos, nós, os democratas.

Ainda bem que no Brasil não se dão golpes.


Uma resposta

  1. Avatar de MAGNUS LUIS OHSE
    MAGNUS LUIS OHSE

    Bela intervenção senhor!!!!!

Deixe uma resposta