• O ônibus da Paulista

    O ônibus da Paulista

    Entrou Janot, saiu o maluco do ônibus. Voltou a grande política e saiu a pequena política do cotidiano das relações sociais, assim satisfazendo quem lamentava o prosseguimento da masturbação. Mesmo assim, não posso deixar de voltar ao assunto, porque vejo nos detalhes que cercaram o evento anterior uma série de implicações que dizem com o…

    CONTINUAR LENDO

  • Prender para emancipar

    Prender para emancipar

    Quem se masturba e ejacula em uma mulher num ônibus deve ser preso preventivamente? Pelas muitas manifestações iradas que tenho lido, sim. De fato, o gesto é de uma violência simbólica extraordinária, e, ressalvada a muito provável hipótese de que quem cometeu o ato foi uma pessoa enferma, autoriza a repulsa social na mesma medida…

    CONTINUAR LENDO

  • Overdose

    Overdose

    O que tiveram em comum o tsunâmi que atingiu o Sri Lanka e o furacão Katrina, que atingiu Nova Orleans, além do fato de terem sido fenômenos climáticos? Foi a voracidade do mercado, que, ao aproveitar-se do choque causado pelos desastres, removeu pescadores da costa asiática, colocando em seu lugar resorts de luxo, e retirou…

    CONTINUAR LENDO

  • Parlamentarismo

    Parlamentarismo

    O que é mais democrático: parlamentarismo ou presidencialismo? Muito antes do plebiscito de 1993, eu seguia uma lógica que considerava irrefutável: um governo formado por 594 pessoas (81 senadores e 513 deputados) é mais democrático que o governo de uma única pessoa, o presidente.

    CONTINUAR LENDO

  • O edifício da bandeira

    O edifício da bandeira

    Vejo de longe o edifício, e na retina da memória acende a gravura de um prédio majestoso, em cujo topo tremula uma bandeira, enquanto no fundo passa um grande avião. Eu era criança e a ilustração estava num livro escolar, talvez ainda perdido no sótão.

    CONTINUAR LENDO

  • Venezuela

    Venezuela

    Deu na capa da Veja: o falastrão caiu. Lembro que de Ijuí, onde morava, mandei mensagem: minha assinatura vai até o final do ano, mas podem parar de mandar agora. O fato é que a revista comemorou o golpe que derrubou Chávez. Começou com manifestações de rua convocadas por entidades empresariais e imprensa e se…

    CONTINUAR LENDO

  • A caminho do trabalho

    A caminho do trabalho

    Rádio eu ouço no deslocamento. Vinte minutos de manhã, dez à noite e menos que dez antes e depois do almoço. Era a Cultura, evidentemente. Minutos de Bergter, depois Lena Kurtz, Demétrio, Paulo Moreira. Se variava o horário da manhã, pegava MPB; se me antecipava à noite, desligava, porque ninguém aguenta discurso de deputado (nada…

    CONTINUAR LENDO

  • Um dia e outro dia

    Um dia e outro dia

    Parece que foi agendado: um dia a reforma trabalhista, no outro a condenação do Lula. A História acontece agora e a poeira não assentou para que seja contada com cores definitivas, mas a coincidência não há de passar desapercebida a quem fizer, no futuro, a crônica desses dias. E terá significado muito mais amplo que…

    CONTINUAR LENDO

  • Arbitragens

    Arbitragens

    Nosso time era modesto: recém havia retornado da Série B, e foi surpreendente sua campanha no Brasileirão e a classificação à final da Libertadores. Por isso, o Boca era franco favorito, e restava aos gremistas apelarem à folclórica imortalidade. Primeiro jogo na Bombonera, começamos jogando melhor, mas, não lembro em que sequência, sofremos um gol…

    CONTINUAR LENDO

  • Antes do próximo meteoro

    Antes do próximo meteoro

    Circulou esses dias a afirmação de Stephen Hawking de que a humanidade pode ser extinta em trinta anos. Como me habituei a ver os títulos na correria e ler os textos depois – se tiver tempo, se lembrar, se ainda os achar, se outras coisas não me chamarem a atenção antes –, me contentei com…

    CONTINUAR LENDO

  • A hora de morrer

    A hora de morrer

    Quando será a hora da morte? Não faço propriamente cálculos sobre isso, mas penso às vezes. Imagino que todo mundo pensa, uns mais, outros menos. E a única certeza que podemos ter é a de que na próxima vez em que pensarmos no assunto teremos menos tempo que agora. Terrível, a consciência da morte. Convivemos…

    CONTINUAR LENDO

  • Pode entrar, a casa é sua

    Pode entrar, a casa é sua

    “Ó de casa!” “Pois não?” “Boa noite, senhora! Um informante disse que nessa casa escondem droga. Viemos verificar. A senhora permite que a gente entre?” “Claro! Entrem sem cerimônia. Só peço que não façam barulho, porque as crianças estão dormindo.” “E o seu marido?” “Está trabalhando, é garçom.” Entram os policiais, meio tímidos. “Os senhores…

    CONTINUAR LENDO

  • Nossas façanhas

    Nossas façanhas

    São um estorvo os lanceiros negros, uma mancha no brasão rio-grandense, que diz liberdade, igualdade, humanidade. É quase automático, e penso com dor, não com ironia: sempre que chega aquela parte do hino que expressa a nossa peculiar modéstia, lembro de Porongos. Diferentemente do que aconteceu a Sepé Tiaraju e aos guaranis das Missões, massacrados…

    CONTINUAR LENDO

  • Sístole e diástole

    Sístole e diástole

    Vamos começar pelo começo: você achava que o TSE cassar a Dilma era golpe e agora acha um absurdo ele não ter cassado Temer? Nesse caso, antes mesmo de formarmos um juízo sobre o TSE, teremos de entender o motivo desse seu pensamento. Veja só: Dilma era candidata a presidente, Temer a vice. Na mesma…

    CONTINUAR LENDO

  • Delação no colégio

    Delação no colégio

    Às vezes, imagino o sistema penal como se fosse um sistema educacional. Sei que em tese faz sentido, porque a pena deveria ter esse caráter pedagógico, de recuperação. Mas também sei que falo bobagem, porque nem o sistema foi criado para isso, nem as pessoas o querem assim. E não poderiam, porque educar pressupõe amar,…

    CONTINUAR LENDO

  • A janela do golpe

    A janela do golpe

    O título deste texto poderia ser também, por motivos óbvios, Diretas e indiretas. Poderia ser ainda, por motivos que explicarei, Matemática pura ou, por extensão, Direito puro. Como não sou matemático, posso me permitir licenças retóricas, para dizer que a matemática pura, também conhecida por matemática estética, é aquela que não serve para outra coisa,…

    CONTINUAR LENDO

  • Corrupção e eleições

    Corrupção e eleições

    Corrupção como sistema Quando se fala em corrupção, é necessário sempre lembrar que há dois lados: o que paga e o que recebe. Simplificadamente, grandes empresas pagam e agentes públicos recebem. E isso não é uma anomalia do sistema; pelo contrário, é como funciona o capitalismo.

    CONTINUAR LENDO

  • Diretas já!

    Diretas já!

    Defender a democracia. Defender o respeito às regras do jogo. Parece o óbvio, mas para muitos não passa de jogo de palavras, e as regras do jogo só são respeitadas quando são favoráveis. Quando não são, ainda assim o discurso democrático é dado com todo o cinismo por quem quebra as regras. Por isso, o…

    CONTINUAR LENDO

  • Enquanto em Curitiba

    Enquanto em Curitiba

    Eram 13:30 de 18 de julho de 1997. Ana caminhava pelo acostamento da Baltazar em direção à parada, onde pegaria o ônibus para a casa da mãe, quando foi atropelada por um motorista bêbado. Ana quebrou o joelho e o antebraço direitos e teve lesões graves na face. Permaneceu três semanas internada. Menos de um…

    CONTINUAR LENDO

  • Em defesa do Supremo

    Em defesa do Supremo

    Tenho sido muito crítico do STF. Há anos critico o modo de indicação dos ministros, critico o estrelismo midiático, as entrevistas de certos ministros com a intenção de interferir na política, as ilegais declarações sobre o mérito de processos que por eles serão julgados, os encontros furtivos com políticos que conspiram, os intermináveis pedidos de…

    CONTINUAR LENDO

  • O texto que não escrevo

    O texto que não escrevo

    Várias vezes nos últimos meses me vi diante da tentação de escrever sobre os paneleiros e sempre desisti. Fico indeciso entre frases mais solenes e a pura ironia, e isso é suficiente para deixar para depois. O fato é que o tempo passa e continuo aqui nesse impasse. Sei que escrevo de um certo lugar,…

    CONTINUAR LENDO

  • Democracia: modo de usar

    Democracia: modo de usar

    1. Tire o máximo proveito do sistema eleitoral. O sistema brasileiro é perfeito, porque nele o voto é avulso. Os eleitores não abrem mão disso e dizem, orgulhosos, “eu voto na pessoa”. 2. Não se preocupe com partidos ou quocientes partidários: fora uns partidecos sem expressão da esquerda, os partidos estão abertos para candidatos sensatos,…

    CONTINUAR LENDO

  • Presos na arapuca

    Presos na arapuca

    Para mim está claro: este Executivo e este Legislativo não têm legitimidade política para aprovar qualquer medida de restrição de direitos, porque foram cúmplices em um golpe praticado com a finalidade de impor o programa político derrotado nas eleições e agem a partir de uma maioria política decorrente de um pleito em que, como agora…

    CONTINUAR LENDO

  • Fechando o círculo

    Fechando o círculo

    São milhares de horas gravadas, muitos milhares de páginas. A maior parte não é pública, e o que, lícita ou ilicitamente, se tornou público, é impossível de ser analisado em sua integralidade. Mesmo um jornalista investigativo, que ponha todo o seu tempo a pesquisar o que há, terá dificuldades. Isso significa que nós, destinatários das…

    CONTINUAR LENDO

  • Mísseis civilizatórios

    Mísseis civilizatórios

    Foi fulminante a resposta contra o bárbaro ataque de armas químicas, que matou mais de oitenta pessoas, incluindo crianças e idosos. Mais uma vez os Estados Unidos defenderam a civilização, ao lançar mísseis sobre uma base aérea do governo sírio.

    CONTINUAR LENDO

  • Hebraica

    Hebraica

    A notícia não é Bolsonaro, a notícia é a Hebraica. E a pergunta é: a Hebraica convidou Bolsonaro porque não sabia que ele falaria o que falou ou a Hebraica convidou Bolsonaro porque sabia que ele falaria o que falou? Não se pode dizer que não foi avisada. Pelo contrário, a Hebraica do Rio convidou…

    CONTINUAR LENDO

  • Viva, fui hackeado!

    Viva, fui hackeado!

    Chego de férias, dias sem internet, e o Bissexto não abre: só há uma mensagem em inglês sobre a tela branca, dizendo que fui raqueado. Gelei, porque nunca me preocupei com fazer cópias de segurança, o que significava a possibilidade de ter perdido todos os meus quase duzentos textos. Senti certo alívio ao entrar na…

    CONTINUAR LENDO

  • Dolus malus

    Dolus malus

    Se bem lembro, a expressão estelionato eleitoral teve sua estreia nas eleições de 1986. Surfando na popularidade do Plano Cruzado, o PMDB elegeu mais da metade do Congresso, mas a contagem dos votos nem havia encerrado – na época, levavam-se dias para contar as cédulas de papel – e o governo descongelou os preços, acabando…

    CONTINUAR LENDO

  • As mulheres de Montevidéu

    As mulheres de Montevidéu

    Plaza Libertad, 18 horas. Era lá o encontro. Chego na hora, mas fico espremido na praça apinhada, brasileiro entre incontáveis uruguaias (e uruguaios). A maioria de preto, muitas de roxo, jovens, idosas, crianças. Recebo o panfleto da Coordinadora de Feminismos del Uruguay: 8 de marzo, jornada de paro de mujeres. ¡Si paramos nosotras, paramos el…

    CONTINUAR LENDO

  • Raduan é pop

    Raduan é pop

    Li Lavora arcaica e não li Um copo de cólera. Conheço meio Raduan Nassar, autor de duas obras, mais os contos. Ou, se, como ele diz, sua obra é de um livro e meio, conheço mais da metade. O que, em se tratando de Raduan, me deixa ainda em déficit, não só pela qualidade desse…

    CONTINUAR LENDO

  • Suruba

    Suruba

    Fui cobrado. Escrevi há alguns dias, e ouvi a crítica: como assim, achar que o Moreira Franco, tão lembrado nas delações, pode ser nomeado ministro? Optei pela resposta simples, e disse: pelo mesmo motivo que me levava a defender que Lula fosse nomeado. A tréplica foi imediata: mas não proibiram o Lula de tomar posse?…

    CONTINUAR LENDO

  • Impressões

    Impressões

    Impressão é assim: a gente vê, não tem certeza, mas sente que é por aí, embora talvez não seja. Às vezes a notícia de um fato nos causa uma impressão, ouvimos um comentário e a impressão já muda, ouvimos outro e já pensamos uma terceira coisa, que talvez não seja mais válida que a primeira…

    CONTINUAR LENDO

  • Pesos e medidas

    Pesos e medidas

    Sabe, eu acho que não pode proibir o Moreira Franco de ser ministro. Ele ainda não é réu, acabou de ganhar foro privilegiado e o Governo Temer conseguiu se queimar mais um pouco, mas o prejuízo é político, e não cabe ao Judiciário proibir a nomeação. Também não acho errado manter em sigilo a lista…

    CONTINUAR LENDO

  • Tipos abertos

    Tipos abertos

    Para quem não é do Direito, talvez seja um sujeito sorridente, bom de papo, sincero, agradável. Quem é do Direito sabe que é outra coisa, normalmente usada no âmbito penal: o tipo penal aberto transmite um conceito genérico, em que não há uma definição precisa da conduta. Isso não é bom, porque o único modo…

    CONTINUAR LENDO

  • O ministro sem quarentena

    O ministro sem quarentena

    Li, por aí, que quem agora reclama não tinha reclamado quando Lula nomeou Dias Toffoli. Então fui buscar no baú: – Anos atrás, quando os juízes gaúchos discutiam, preocupados, a possibilidade de Lula fazer uma indicação político-partidária para o STF, na época o ministro Tarso Genro, eu notei que até então, tendo já indicado quatro…

    CONTINUAR LENDO

  • Mortes

    Mortes

    Há ocasiões em que a morte de uma pessoa identificada com seu tempo histórico coincide com o fim desse tempo. Morre a pessoa e é como se morresse junto o seu mundo, pelo que de simbólico encerra. Ocorre mais com grandes personagens, mas pode acontecer também com coadjuvantes ou mesmo figurantes.

    CONTINUAR LENDO

  • A felicidade do mercado

    A felicidade do mercado

    A explicação é técnica, sem sorrisos, sem empostação de voz, sem julgamento. O mercado está satisfeito com o resultado da economia chinesa e tem boas expectativas com a posse do Trump, portanto o cenário internacional está favorável; além disso, a bolsa sobe também por um motivo doméstico: a morte de Teori Zawaski.

    CONTINUAR LENDO

  • Teori

    Teori

    A lembrança mais antiga que tenho sobre tocar no assunto e receber semelhante resposta tem ano e interlocutor certos. O interlocutor deixa pra lá, mas foi em 1994. Se assim marquei a data, foi porque, passado no concurso para juiz de Direito, me aconselhava para saber se prosseguiria para juiz Federal, em que passara nas…

    CONTINUAR LENDO

  • Descriminalizar

    Descriminalizar

    Nunca cheirei nem fumei. Tão pouco fiz, que nem ao menos posso dizer fumei mas não traguei. Também nunca precisei dos efeitos terapêuticos da cannabis, e minha curiosidade científica não me levou a ponto de estudar sobre suas propriedades medicinais. Em outro sentido, não me preocupei em saber se há relação entre maconha e esquizofrenia.…

    CONTINUAR LENDO

  • Cocos e tubarões

    Cocos e tubarões

    O pouco que sei de máfias é que elas se formam como irmandades que competem entre si na exploração de atividades ilícitas. Organizam-se internamente com vínculos de fidelidade e são implacáveis com os desertores, modo de assegurarem coesão interna.

    CONTINUAR LENDO

  • Inimigo

    Inimigo

    Às vezes me ressinto de não conhecer outras sociedades. Nem sei se isso seria possível, porque o conhecimento de que falo provavelmente não se obteria numa rápida viagem turística ou pela via da literatura. Tenho, por exemplo, a impressão de que hoje há mais ódio no mundo, mas não sei se é um fenômeno que…

    CONTINUAR LENDO

  • 2016

    2016

    31 de dezembro, penso se devo escrever sobre o ano que termina. Parece que o tanto vivido torna mais difícil qualquer texto, porque dilui os assuntos. Resolvo me concentrar na política brasileira, mais particularmente no golpe, mas mesmo isso é muito. Fecho ainda mais o foco e penso no papel do Judiciário.

    CONTINUAR LENDO

  • A voz das ruas

    A voz das ruas

    As ruas de Porto Alegre me fazem Quintana. Quando, fato raro, passo por elas distraído, descubro novos ângulos, cores não vistas e penso Quintana. Abro, como ele, o mapa e me sinto um anatomista. Quando por elas transito, me penso nesse estranho sistema circulatório da cidade, onde não há artérias, só veias que carregam gás…

    CONTINUAR LENDO

  • Rubinho e o bêbado

    Rubinho e o bêbado

    A ilustração é apropriadíssima: uma foto de Rubinho Barrichello – coitado, sempre ele – com a legenda “estou achando que foi golpe”. É uma percepção vaga e de difícil construção no meio jurídico, lugar onde, afinal, se trata da lei e sempre fica mais difícil ao ardoroso defensor do impeachment admitir que foi agente do…

    CONTINUAR LENDO

  • A fábrica de linguiças

    A fábrica de linguiças

    As leis são como linguiças: se as pessoas soubessem como são feitas, não as comeriam. É mais ou menos assim a frase, que, dizem, nunca foi pronunciada por Bismarck, embora ele tenha levado a fama. Não tem a ver com ideologia, falsa consciência, reificação, em suma, com as condições de ignorância que impedem as pessoas…

    CONTINUAR LENDO

  • A lagartixa

    A lagartixa

    Teratológico. Aprendi tarde essa palavra, e nunca a vi fora da linguagem jurídica. Não lembro de tê-la usado e não gosto dela. Quando a ouço, penso numa lagartixa com suas patas multiplicadas, como se fosse uma lacraia. Teratológico é isso, um absurdo lógico. Esta lagartixa tem cabeça e pés, muitos, mas poderia não ter pé…

    CONTINUAR LENDO

  • Morreu na contramão

    Morreu na contramão

    Era para ser bissexto, mas adquiriu uma regularidade, e na manhã cansada de sábado o editor que me habita me sacoleja na cama e me manda ao texto. Às vezes, é só o tempo de levar ao monitor o artigo que me interpelou ao longo da semana, e ele jorra fácil, com frases previamente construídas.…

    CONTINUAR LENDO

  • Salve a Cultura

    Salve a Cultura

    É só uma frase, mas desde a primeira vez a ouvi do mesmo jeito. De salve a Cultura na memória do seu rádio ouço só salve a Cultura. Ou cultura, substantivo comum. Talvez um dia descubra se foi mais que mera intuição e, de fato, havia aí um grito de socorro antecipado, para pegar subliminarmente…

    CONTINUAR LENDO

  • Prenderam ele

    Prenderam ele

    Diálogo que imaginei para um lugar distante, num tempo remoto: — Lembra aquele cara que não deixava pivete apanhar? — Lembro, sempre peguntava: tem certeza que foi ele? — Sim, aí o cara largava o moleque. Como se chamava mesmo?

    CONTINUAR LENDO

  • Trumpeanas

    Trumpeanas

    Há meses pensava em escrever sobre as eleições dos Estados Unidos. Pretendia publicar na véspera. Mas esqueci. Não sei se foi só distração ou se fui traído pela falta de convicção sobre a linha que havia decidido adotar. Vou resumi-la. Pretendia fazer um texto inteiro contra Hillary, dizendo que ela era uma defensora do establishment,…

    CONTINUAR LENDO